Fonte: Club-k.net

 A Sonangol prevê  despedir  25% dos seus trabalhadores. A medida, segundo apurou o Club-K,  é baseada numa recomendação  feita a petrolífera estatal pela  consultora internacional “Wood Mackenzie” no seguimento de um estudo sobre o estado financeiro da empresa  liderada por Isabel dos Santos.

A  “Wood Mackenzie” detectou excesso de trabalhadores nas estruturas da Sonangol, e conforme o seu estudo, para que a petrolífera estatal passe a ser uma empresa rentável necessita apenas de 75% da sua actual força de trabalho, o que equivale ao despedimento de 25% dos funcionários.

Segundo aquele orgão de informação a PCA,  Isabel dos Santos acatou as recomendações, mas de acordo com posições que lhe são atribuídas, a mesma é de opinião que os despedimentos só devem  ocorrer depois das eleições de Agosto do corrente ano. Uma medida que se suspeita ser para não atrapalhar a campanha eleitoral do MPLA, o partido liderado pelo seu pai José   Eduardo dos Santos.