O jornalista Salu Gonçalves afirmou, em entrevista ao programa Grandes Manhãs, da Zap, que as cantoras angolanas não possuem capacidade financeira para obter os bens que ostentam e que a fonte de sustentabilidade da vida luxuosa que muitas delas exibem são os alegados “padrinhos doadores de carros”.

 O radialista afirmou categoricamente que os bens ostentados pelas nossas artistas não são proporcionais aos seus rendimentos de trabalho e que podia, se fosse necessário, fazer menção de alguns nomes que possuem carros topo de gama que não foram comprados com dinheiro próprio.

Digo isso com certeza e zangue-se quem se quiser zangar, mas as cantoras angolanas andam a ser patrocinadas por padrinhos, que, além de carros, doam beijinhos, afirmo e reafirmo. Comparem os carros de luxo que andam com as cantoras com os dos cantores. Pelo menos 5 delas, se me conseguirem provar que foram comprados com dinheiro próprio, podem levar-me ao tribunal” afirmou Salu, a principal voz do programa Kialumingo.

Durante as suas declarações, Salu afirmou, ainda, que muitas das cantoras da linha da frente, com os maiores chachê, não dispõem de bens de valores tão exorbitantes. “Como é possível que determinadas artistas vivam num condomínio em Talatona, que tem o metro quadrado mais caro de Angola?! Como pagam aquelas casas?! Como promotor de eventos, confirmo que houve uma altura em que se recebia de 25 a 30 mil dólares por apresentação, mas eram alguns, que nunca saíram do top 5, falo de Paulo Flores, Yuri da Cunha, Yola Semedo e uns tantos poucos, mas, ainda assim, comprar uma casa em Talatona requer ter cerca de 500 mil dólares, então como é que elas pagam o condomínio se nem sempre têm espectáculos para cobrir as despesas?!” questionou.

 Ao longo da conversa, a cantora Titica, que também fazia parte do painel de convidados, tentou contra-argumentar ao defender que nem todas as cantoras recebem bens dessa forma citada por Salu, porém não apresentou bases na sua defesa e preferiu manter-se neutra na sequência da conversa.

 

MAS NOTÍCIAS